A Pesca Desportiva: A VINAGREIRA-NEGRA, Aplysia fasciata

A Pesca Desportiva

Blog de pesca desportiva. Muitos dos temas foram publicados em sites de pesca desportiva.

sexta-feira, 7 de setembro de 2007

A VINAGREIRA-NEGRA, Aplysia fasciata

Em Junho de 2005 vi, em pleno rio Gilão, Tavira, um grupo de moluscos de cor negro-violeta e pintalgados de amarelo que me despertou a curiosidade. Perguntei a diversos pessoas de Tavira, a resposta foi difícil de obter, mas lá consegui com algumas relutância lá me foi dito que era vulgarmente conhecida por “Xóxas de velha”, a justificação para a dificuldade em obter o nome do molusco centrava-se no termo popular como è conhecido este molusco, compreende-se depois de o sabermos, o que me aguçou ainda mais a curiosidade.
De pesquisa em pesquisa, na troca de mensagens em vários fóruns de pesca, consultei páginas da Internet, conclui que apareciam em outros estuários bem longe do da ria Formosa, casos da ria de Aveiro, Baleal, etc., e comecei a reunir os dados que serão nas linhas seguintes transcritos e acompanhados de imagens.
Fig. 1

A Vinagreira-negra, Aplysia fasciata, também conhecida pelo nome de “lebre de mar negra”, é um dos moluscos presentes em toda a nossa costa e na bacia mediterrânea, nomeadamente nos estuários e rias.
Em Portugal existem as seguintes variedades:
· A. depilans,
· A. punctata
· A. Fasciata (fig. 1 e 2)


Fig. 2

NOME CIENTÍFICO: Aplysia fasciata.
NOME VULGAR: Vinagreira-negra.
ORDEM: Anaspidea.
FAMÍLIA: Aplysiidae.
GÉNERO: Aplysia.
CLASSE: Gastropoda.
FILO: Mollusca.
ZONA: Supralitoral (limite inferior).
HABITAT: Substrato arenoso.
MOBILIDADE: Deslocam-se sobre o fundo, podendo, por vezes, nadar.
ABUNDÂNCIA (1 a 3): 1

IDENTIFICAÇÃO:
· Cabeça distinta.
· Pé desenvolvido e achatado.
· Massa visceral enrolada na concha com uma torção de 180.º, no sentido contrário ao dos ponteiros do relógio, relativamente à cabeça e ao pé.
· Cavidade paleal abrindo anteriormente.
ALIMENTAÇÃO:
Alimenta-se de qualquer tipo de algas (vermelhas, verdes, pardas ....). Percorre o fundo lentamente para se ir alimentando.
É uma espécie herbívora.
LOCALIZAÇÃO:
Encontramos-la em águas superficiais, até uns 25 metros de profundidade. De dia esconde-se nas frestas das rochas, saindo à noite em busca de alimento.
Está presente em toda a costa Mediterrânea e do Atlântico Oriental.
CARACTERÍSTICAS:
· O tamanho, é sem dúvida o aspecto mais destacável deste molusco, que pode medir até 20 cm, sendo o mais habitual entre os 7 a 10 cm;
· O peso, será á volta de um quilo;
· A cor, dos exemplares mais jovens são de cor avermelhada, enquanto que a tonalidade dos exemplares adultos varia desde o verde ao marrom, sendo por vezes vermelho e inclusive negro-violeta. De facto pensa-se que a cor de cada indivíduo, em particular, depende da sua alimentação;
· O corpo mole, de aspecto abobado, com um grande pé e duas expansões globulares (parapódios);
· Recebe o nome de “lebre” por os dois rinóforos enrolados na sua cabeça, serem similares às orelhas de uma lebre;
· Tem duas antenas cefálicas aplanadas e algo enroladas;
· A concha é interna e pode medir 7 centímetros;
CONSELHOS E CURIOSIDADES:
· As vinagreiras são moluscos muito semelhantes em aparência às lesmas. Possuem, no entanto, uma concha que está coberta pelo manto;
· O nome comum deriva do líquido de cor púrpura que deitam por vezes quando molestadas (como “vinagre tinto”);
· Se se sente molestada desprende uma substância branca e violeta, com que afugenta os seus inimigos, não é venenoso;
· É a única lebre de mar que pode nadar bem, graças aos movimentos ondulantes dos seus parapódios;
· Durante a Primavera podem observar-se os animais adultos por ser esta a altura do acasalamento. Os jovens aparecem em finais do Verão até ao Outono;
· Foram encontradas algumas posturas destes animais, as quais se assemelhavam a novelos e exibiam cor rosa-violeta clara;
· São vulgarmente conhecidas por “Xóxas de velha”;


Fig. 3

Bibliografia:
o
Webgrafia:
o a-alvarez (BoletinPescan63Abril06)
o Lista de nomes comuns nos Açores de espécies marinhas

3 Comentários:

  • Às 18 de setembro de 2010 às 17:22 , Anonymous Anónimo disse...

    e muito entresante para quem quer saber o que e e muito bom estar aqui por exemplo eu nao sabia e agora sem

     
  • Às 26 de outubro de 2010 às 10:00 , Anonymous Anónimo disse...

    ...foi em Setembro passado que ao deambular com o meu filho Afonso por entre rochas e poças de água numa radiante manhã outonal, naquela que um dia foi a Praia do Monte Estoril, que deparei com um ser de uma beleza fascinante e etérea! Aquela, viria a saber, era a "Vinagreira-Negra". Movimentava-se ao sabor dos quase imperceptiveis movimentos da água com uma graciosidade sublime e em harmonia perfeita..! Um mês depois, desta vez na areia, duas massas escuras e amorfas saltam-me à vista! Surpresa das surpresas: duas " Bailarinas" (injustamente chamadas de Vinagreiras Negras)jaziam moribundas a meus pés! Rápido como o relâmpago (?) peguei-as com as minhas mãos nos seus leitos de areia, quais tesouros acabados de descobrir, e com passo rápido devolvi-as às lusas águas portuguesas. Ah! alegria das alegrias... voltei a ver o bailado diáfono, etéreo e perfeito das minhas bailarinas dos oceanos! Assim suave e belo como o nascer do Sol na Primavera...
    Fernando

     
  • Às 6 de agosto de 2011 às 01:15 , Blogger david josé hortinha gordilho disse...

    Fotografei um animal que depois de falar com um amigo pescador e mostrar a foto, me disse logo; é uma vinagreira.
    nca tinha ouvido falar em tal. A foto foi tirada na ria de Aveiro nuns seus canais junto à cidade.

     

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial